domingo, 2 de maio de 2010

O Silencio II

Ainda sobre o silencio, encontrei este artigo navegando por aí, e por ser bastante interessante e de certa forma se enquadrar no texo que publiquei a dias, publico-o.
O teu silêncio magoa-me


É o prelúdio do fim de uma relação? Um sinal de desprezo? O ignorar dos sentimentos do outro?

O silêncio é frio… glacial


O silêncio é frio… glacial. Quebramos o silêncio como se estilhaçássemos um objecto de cristal. Ou rompemo-lo como se nos desembaraçássemos de algo que nos asfixia. Não há nada mais desagradável numa relação a dois. Um belo dia, entre um homem e uma mulher, instala-se o silêncio. Quem é que o provocou? E agora, como escorraçá-lo? Primeiro há que tentar decifrá-lo, pois o silêncio é também uma forma de comunicação. O silêncio pode significar intimidação, respeito, mas também hostilidade ou desdém, medo e desinteresse. Entre duas pessoas que se querem, o silêncio nunca foi de ouro, contrariando o provérbio popular. É quase sempre sinónimo de solidão e de dor, de um problema mal resolvido. E se a situação de incomunicabilidade se passar debaixo do mesmo tecto, pior ainda.

A crise do silêncio tem de ter um motivo e ser passível de análise. Só através do diálogo podemos perceber as razões subjacentes à atitude. O que nos impede de falarmos como dois adultos civilizados? Talvez o orgulho ou o medo de reconhecer os próprios erros, não querer dar o braço a torcer, e a vaidade de querer ter sempre razão. Ou o medo de não sermos compreendidos. No fundo, uma chuva de motivos que nos bloqueiam. Seria sensato pensarmos que dialogar é diferente de discutir. Num diálogo, é necessário falar e saber ouvir. Alguém disse um dia que o diálogo é uma estrada de duplo sentido e não uma via única. Convém perceber as ideias e os argumentos apresentados, fazer um esforço de compreensão e não se artilhar para um ataque impiedoso. Aí, já entramos no campo da discussão. Entre dois egos orgulhosos não é possível chegar ao diálogo, mas antes ao solilóquio do arrasamento, do estilo: “és tão infantil”. Este tipo de comentários magoa e enraivece. A discussão é uma luta que só permite um vencedor. Já o diálogo proporciona uma linguagem mais tranquila porque ambos estão sintonizados na afinação do problema, mantêm uma abertura face à crise.

Apenas o diálogo vence o silêncio. No entanto, este tem de ser feito de autenticidade. Só com o diálogo, podemos descobrir o que se passa na mente do outro, os porquês do silêncio. Para que o casal cresça, ambos têm de renunciar ao orgulho, à detenção da verdade única. Ter uma pessoa a partilhar a nossa vida é algo maravilhoso, já que ninguém gosta de estar sozinho. Daí que tenhamos de aprender a lidar com opiniões diferentes da nossa sem que isso seja uma derrota, mas antes uma experiência enriquecedora. Se fôssemos felizes sozinhos não procurávamos parceiros. Mas um casal não constitui por si só a felicidade à prova do silêncio. As crises surgem inadvertidamente e há que saber sará-las com carinho e respeito.

Tipos de silêncio

. Punitivo. Surge como punição do outro, ignorando-o totalmente.

. Culpado. É um mecanismo de defesa, quando um dos parceiros tem a consciência pesada

. Ofendido. Como retaliação a uma grosseria

. Tédio. Surge quando já não há afinidade, o projecto de vida em comum deixou de fazer sentido para ambos

. Intimidado. Acontece quando se receia ser julgado

. Implicativo. Visa somente picar o outro

. SOS. É um pedido de ajuda e de atenção

. Magoado. Nasce de situações desagradáveis e pode transformar-se em rancor e raiva

. Defensivo. Próprio dos tímidos e dos mais frágeis

. Desesperado. É o último recurso para quem sente que já esgotou todas as palavras

. Indiferente. O pior de todos. Acontece quando já tudo morreu na relação

. Desprezo. É uma amargura que não se verbaliza, mas agride

. Chegámos ao fim. Quando não se tem coragem para pôr fim a uma relação, o silêncio significa: “Se não te atendo, se não te procuro, é porque tudo acabou”

. Birra. Algo imaturo mas pouco danoso, porque passageiro

. Controlador. Falso mistério que apenas visa prender o outro à curiosidade de um mutismo inexplicável

. Sádico. Praticado por pessoas que sentem prazer em torturar as outras pelo gosto de um jogo perverso

www.maxima.pt