Mostrar mensagens com a etiqueta reclamando. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta reclamando. Mostrar todas as mensagens

sábado, 21 de outubro de 2017

Vozes de burro...

Constantemente me deparo com situações "in"esperadas.
Vivo a vida por mim, para mim e meu bem estar, vigiando de perto o crescimento e aprendizagem "da minha cria" desejando o melhor sem lhe cortar asas. Porque é assim que entendo que deve de ser.
Não me interesso pela vida de ninguém. Entendo que cada um deve utilizar a sua energia com a própria vida.
Talvez por haver demasiada dispersão sobre a vida de outrem, hajam pessoas que sofrem de distúrbios a que eu chamo de saloiice, ignorância e estupidez natural.
Não será melhor concentrarem-se nas próprias vidas, solucionarem seus próprios problemas ao invés de falarem do que não sabem e ainda acrescentarem muitos pontos??!!
Será que a vida das pessoas é assim tão desinteressante para se dedicarem à dos outros?
Ou será a minha vida assim tão interessante que mereça todo esse protagonismo?
Vivam e deixem viver!

quinta-feira, 30 de junho de 2016

Anti...

Em dia em que o país pára em frente aos televisores de fundo verde, numa embriaguês cega e desmedida de patriotismo futebolístico, perco-me por um deserto imenso, despovoado. Antipatriota, anti nacionalista ou qualquer outro adjectivo que defina, anti carneirismo, anti social, individualista, apátrida...aqui estou eu!
Apátrida pode ser um pouco forte, mas define bem o desligar das tradições, normas sociais e politicas. O fugir de convenções e dogmas, seguindo uma vontade própria. 
Partir sem pátria, família, ou qualquer outro tipo de ancora e ser o que quero, o que penso, o que entendo por existir.
Ovelha negra?
Talvez!
Recuso gritar golo quando todos se levantam extasiados com um qualquer remate numa baliza. Desconheço regras e tácticas de jogo e qualquer tipo de termo futebolístico... 
Não conheço nomes, e de equipas nem quero saber.
Demonstrações de força, poder, para mim, não passam de rituais primatas que apenas se foram moldando à "evolução", mas a essência continua. 
Falaria agora de tanta coisa em torno destas "batalhas campais", capaz até de tropeçar nas minhas próprias ideias e contrapor-me... A verdade é sou do contra. Anti futebol. e hoje estou sozinha nesta minha luta... 


Sílvia Q. Sanches - junho 2016

terça-feira, 14 de junho de 2016

Com Papas e Golos se entretém os tolos

Voltámos a épocas passadas. Épocas em que se mantinha o povo distraído com futebol, fado e religião para enganar a fome e mascarar a miséria em que se vivia. Nada tenho contra a religião, respeito a convicção de cada um assim como gosto que respeitem a minha. O que me entristece é que com tanta evolução a fórmula é exactamente a mesma, um bocadinho mais refinada mas exactamente a mesma.

Enquanto o povinho tem estado ocupado a olhar para o Papa, com direito a “feriado” em vários sectores, vão metendo a mão no bolso de quem menos ganha. Sim, porque não são os grandes gestores e classe politica, que contribuíram maioritariamente para o estado em que se encontra a nossa economia, que vão sentir o aperto do cinto… O povinho que não sabe mais do que trabalhar e pagar para poder trabalhar é que continua a pagar, pagar, pagar…

Bem isto parece um discurso de esquerda, podia até ser, mas tal como na religião não gosto de tomar partidos, trata-se simplesmente de um lamento de quem se sente cada vez mais espezinhado pelo sistema. É triste a forma como a classe que mais produz é tratada. Mas vai-se embebedando a populaça que esquece depressa e até as calças baixa se for preciso.

O povinho entretido com o Papa e os festejos de Fátima não percebe que se gastou 750 milhões de Euros para receber o velho homem. Grandeza tal que até faz corar alguém um pouco mais atento, não sei se de raiva se desespero ou mesmo vergonha, quando se vem a saber que no final do ano os subsídios de Natal estarão comprometidos com um corte significativo como contributo no combate a crise, que o I.V.A vai aumentar sujeitando a subida dos bens alimentares e medicamentos, que o I.R.S aumenta e com menos benefícios, que os ordenados estão congelados por tempo indeterminado, que os combustíveis aumentam mesmo com o petróleo a baixar, e muito mais… Mas pior ainda é quando se sabe que o país vai ajudar a irmã Grécia e que para tal vai ter de pedir dinheiro emprestado, isto então é de gritos.

De gritos é também o facto de assistir a uma euforia exacerbada com o futebol e as vitórias de um qualquer clube e o desinteresse pelo estado em que nos encontramos. Temo que se deslocam mais pessoas aos estádios e/ou a locais onde transmitem o futebol do que as mesas de voto nas ultimas eleições.

É triste ver que o povinho se vai deixando levar pela maré e que mesmo a avizinhar-se a tempestade do século, continua impávido e sereno brincando nas ondas, cada vez mais altas, com ou sem prancha, como se nada estivesse em perigo.

A embriaguez do futebol é tamanha que o resto passa despercebido e o povo fica feliz…

Enfim, Roma antiga dava circo e pão ao seu povo, nós temos Papa e Golos!

É uma alegria!

Sílvia Q. Sanches - Maio 2010

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

A vida depois dos 40


Chegam os 40, e se há a quem nada acontece e segue a sua vida, abastada, ou não, também há quem não se acomode à idade e continue a lutar como se tivesse 20 ou mesmo 30 anos. 
Já estou à 2 anos no clube dos 40 e na verdade já sinto diferença. Não na vontade de viver, nem na capacidade de sonhar. Na capacidade de trabalho, sinto-me mais capaz até do que noutros períodos da minha vida. Estou mais responsável, mais experiente e com muita vontade de lutar por aquilo que acredito. Mas o "crachá" deste clube, por muito mérito que me traga, tem-me vedado a entrada em muitas oportunidades de emprego.
Mesmo sem nos conhecerem, só o facto apresentar a idade, fecham de imediato as portas e a oportunidade de poder mostrar o que se vale.
Dou comigo a pensar que afinal, quem faz a selecção das propostas de emprego são jovens, talvez com menos de 35 ou mesmo 30 anos, saídos das universidades à meia dúzia de anos, com uma carreira promissora, proporcionada pelo esforço dos seus pais que lhes pagaram os cursos e pós graduações. Inchados da vaidade e cegos pela tecnologia, esquecem que existem pessoas que não frequentaram as faculdades, mas a vida e a vontade de aprender, mesmo já "fora  de tempo", que nunca é tarde para aprender, podem ser tão ou mais valiosas para trabalhar. 
Entendo que o choque de gerações tenha algum peso. Mas as gerações completam-se, e não é só nos livros que se aprende a valorizar os outros e o seu trabalho. Conhecer os mais velhos, ouvi-los, valoriza-los e ter em conta os seus exemplos de vida. Sinto que é isso que falta em Portugal, neste momento.
Se somos um país  com tendência ao envelhecimento da população, dever-se-ia cultivar mais o respeito pelos mais velhos, dar oportunidade a quem tem capacidade e quer trabalhar. 
Não é isso que eu vejo nem sinto. 
Vejo valorizar os jovens recém licenciados, e muito bem. 
Vejo o cuidado para com os reformados que afinal, são os nossos alicerces, é justo.
Mas sinto-me num grupo à margem, que se não tem trabalho, é velho para trabalhar naquilo que quer, e é novo demais para se sentar num cadeirão à espera do que por aí vem. 
Se tenta melhorar a formação académica, é quase um motivo de chacota, tanto por parte dos mais novos a quem ajudou a formar como contribuinte, quanto por parte os da sua idade com o seu emprego "seguro" e os seus "canudos" bafientos. Resta-lhe concorrer com aqueles que por um motivo ou outro nunca tiveram interesse em saber mais do que ir trabalhar todos os dias nas mais elementares tarefas, e que com todo o mérito, porque são tão sábios quanto todos os outros, foram quem manteve o contributo mal gerido pelos que saíram de institutos e universidades. 
Não se é nem indiferenciado, nem se é aceite como um profissional de uma qualquer profissão.
Não consigo vislumbrar a tão apregoada ternura dos 40.




quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Ha dias assim...


Quando se acorda com vontade de fugir do mundo.
Quando se passa o dia com a mania da perseguição e que se acha que tudo e todos estão contra nós. Quando se olha ao espelho e se vê apenas uma sombra daquilo que alguma vez se foi.
Se sofre o desgosto de tentar vestir umas calças que já não passam da anca e se leva o dia a puxar a camisola para baixo de tão justa que está.
Quando já não se consegue controlar a quantidade de chocolate ingerido nem se é capaz de combater o vício da gula.
Quando se perde a vontade de fazer algo de positivo, e já não se tem forcas para qualquer tipo de exercício físico.
Quando já nem as aparências se mantêm e o alheamento impera…
Há tristeza, vergonha, incapacidade de gerir a própria existência.


Há dias assim.

Dias ruins.

O melhor é caminhar a beira mar e… Gritar, nem que seja com o mar.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

A praia da minha infancia


Mas que desilusão!

A dias resolvi voltar a praia da foz depois de uma pausa de anos. Passei lá a minha infância e juventude e muitas e boas recordações comigo guardo. 
Desiludi-me com o que vi. 
Aquela que era a minha segunda casa, ou melhor, o meu segundo recreio, com um areal imenso, uma água transparente não passa agora de uma praia cheia de gente, suja e malcheirosa. Ou eu tive azar no dia que escolhi para voltar a minha praia, ou os governantes locais estão a esquecer-se de manter o bem que temos. Se o nosso futuro é o turismo o melhor não só pensar em construir hotéis e campos de golfe, a praia tão ou mais importante, e mantê-la aprazível aos olhos de todos não é mais do que um simples gesto de bom gosto.
Afinal temos uma lagoa tão bonita porque não cuidar dela?

Não me apetecia mais desiludir-me com o local onde cresci tão saudavelmente. Adoraria poder voltar a caminhar sobre um areal limpo com era a 20 anos, será possível, ou utopia minha????