sexta-feira, 10 de junho de 2016

A Lenda Do Anel De Brilhantes



Vou contar uma das peripécias do meu tio porreiraço. Um autentico cool man de quem muitos gostavam, poucos não. Um filosofo capaz de fazer as delicias de quem o ouvia.
Como sabem, na Foz do Arelho, quando à maré vazia, é só ver gentinha de rabo pró ar a apanhar berbigão. É já uma tradição para muitas famílias, ir à Foz apanhar uma insolação na apanha de uns quilitos de marisco para poupar uns trocos. Já para não falar da apanha ilegal em épocas em que está fechada a apanha por razoes de saúde pública, devido a febres que estes bivalves desenvolvem. Mas o pessoal não liga.  Até é giro depois comer aquilo tudo,  parar no hospital com uma valente diarreia.
Mas naquele tempo que não havia nada dessas maleitas e era tudo fresquinho, fresquinho!
Era ver ainda mais gentinha ali de rabinho para o ar. Tinha dias que era mais gente que berbigão, ou até de grãos de areia.
Ora claro que só os nativos da região e outros tantos tugas,  é que sabiam o propósito daquelas romarias. Os estrangeiritos, coitaditos, não percebiam nada do que se passava ali e perguntavam, claro que ao meu tio, o único poliglota do pedaço, o que fazia toda aquela gente de rabo para o ar ali na água?
Ele, que não se contentava em dar uma explicação simplista da coisa, contava-lhes sempre uma história que lhe vinha a cabeça e um dia nasceu a lenda do anel de brilhantes que pegou e passou a história oficial para estrangeiros.

"A muitos, muitos séculos, ainda a península ibérica pertencia aos mouros, vivia em Óbidos uma bela princesa moura que costumava cavalgar com o seu belo cavalo árabe no areal onde hoje é água. Sim, a lagoa não existia, era um extenso areal que lembrava a princesa o seu deserto que havia deixado ao acompanhar seu pai, um sultão muito poderoso e rico, o rei dos sultões!
Um dia a bela princesa enamorou-se de um belo príncipe filho de outro rei, rival do grande sultão.
Era um amor lindo mas proibido pelos pais. Mas o casal arranjava sempre forma de se ver e um dia trocaram de anéis como que a selar o seu grande amor.
A princesa deu ao príncipe um anel de safiras e o príncipe um lindo anel de brilhantes à sua amada.
Certo dia, a princesa cavalgando no seu cavalo, deixou cair o anel e sentiu uma dor no peito muito forte. O seu príncipe tinha partido para a guerra e ela sentira como que um corte ao deixar cair o anel que ficou perdido no areal.
A princesa sentiu que o seu príncipe tinha partido para o além!
Desde aí passou a procurar o seu anel de brilhantes por aquele areal fora enquanto chorava e tanto chorou que se formou a lagoa de Óbidos. O anel nunca foi encontrado, e ao longo dos séculos cada vez mais são as pessoas que o procuram para o entregar a princesa que ainda chora a morte do seu bem-amado. "

Esta foi a história que me habituei a ouvir, com mais ou menos pormenores, contar aos estrangeiros que iam por ali passando.
Genial, não?!

Silvia Sanches 2008